terça-feira, 24 de julho de 2012

Uma noite de cantoria e cordel com o Mestre Jorge



 Mestre Jorge Calheiros recria aspectos do cotidiano com rima e sonoridade

por Paula Newton

O  mestre Jorge Calheiros faz literatura de cordel há 37 anos. Autodidata, ele conta que foi apresentado ao mundo da leitura pela irmã e sua primeira expressão nesse universo foi seu nome escrito com uma pedra de carvão. Desde então, apaixonou-se pelas palavras e tornou-se referência na arte de contar histórias, ofício que lhe garantiu o título de Mestre do Patrimônio Vivo de Alagoas.

Aos 75 anos, o cordelista tem 108 títulos publicados. Em seus textos, ele mistura humor, romance, drama, crítica para contar histórias do cangaço, crendices, sátiras políticas e aspectos do cotidiano alagoano.
Natural do município de Pilar, ele afirma que quando era criança e morava na zona rural, só existia uma pessoa que sabia ler e escrever na vizinhança. Quando anoitecia, era comum as crianças se reunirem em volta de uma fogueira para escutar a leitura de livros infantis.

“Quando o livro era muito volumoso, era lido como capítulos de novelas, e a cada recomeço, era falado um pouco do capítulo anterior. Era uma grande expectativa a chegada da noite porque sabíamos que tinha continuação da história”, lembra, emocionado, Jorge Calheiros .
Calheiros não teve o privilegio de ir à escola. Seu pai dizia, segundo o mestre cordelista, que ele deveria ajudar em casa, que estudar não levava a lugar nenhum. “Lembro-me como hoje, a única que estudou foi minha irmã. Eu ficava muito triste quando ela saía para a escola. Não por ela, mas porque eu não podia ir. Mas quando ela voltava da aula, eu não sossegava enquanto ela não me contasse o que havia sido dito na aula”, afirmou.

Mestre Jorge relatou que seus cordéis juntam fatos do cotidiano com personagens nascidos da inspiração. Mas tem um segredo: se não tiver o dom para contar uma história com rima e sonoridade, o cordel perde o sentido. “É a junção dos fatos reais com um acréscimo de lenda, mas o segredo do cordel está na boa rima. Se não tem, é porque esta com muita letra ou com menos, aí não dá certo”, disse.

Entre os 108 cordéis que publicou, Calheiros destaca dois entre os mais importantes: Não queira drogas, rapaz – voltado aos adolescentes e o Conselho de um velho pai, o único que fala de sua vida. Interessados no trabalho do mestre Jorge Calheiros podem entrar em contato pelo telefone 8834-9562.

 
Mestre Jorge Calheiros recria aspectos do cotidiano com rima e sonoridade
  Jorge Calheiros transforma o cotidiano com rima, sonoridade e inspiração

Fonte: Agência Alagoas 
GOOGLE +
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários: