terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Cortejo Tia Marcelina 2009-2015


O Cortejo Segue...


“Foi no cortejo para Tia Marcelina que vi a menina mais bela vestida de alma amarela. Aquela imagem singela... Alfaia, axé pra saudar Oyá de Balé, pra jogar ao vento a beleza que o meu coração quer. Ventania, vendaval cor de carmim, leve brisa me perfuma com água de jasmim...”  (Flor do Maracatu – Luana Costa)


 Veja as imagens...!
O Cortejo Tia Marcelina surgiu em dezembro de 2009, mesmo ano em que é formado o Coletivo AfroCaeté, saindo oficialmente pelas ruas no dia 5 de fevereiro de 2010. O cortejo que homenageia Tia Marcelina, ícone da cultura negra em Alagoas, saiu pela primeira vez da Praça Sinimbu, seguiu pela Avenida da Paz em direção a Praça Dois Leões. Todos os anos, desde que surgiu, o Bloco homenageia Tia Marcelina e chama a atenção à nossa diversidade cultural, étnica e religiosa. Aproximadamente 60 batuqueiros compõem o coração do Bloco que tem por base o maracatu. A percussão é coordenada pelo mestre percussionista Sandro Santana.


Além do Coletivo AfroCaeté, o Bloco Tia Marcelina conta todos os anos com a parceria de diversos grupos e entidades. Desde o primeiro cortejo já saíram e/ou saem no bloco: Maracatu Nação A Corte de Airá (São Jorge), Afro Gurungumba (Viçosa-AL), Afoxé Oju Omin Omorewá (Jacintinho), Maracatu Raízes da Tradição (Abassá de Angola de Oyá Igbalé - Gama Lins), Arafunfun/Inaê (Guesb – Village Campestre), Afro Mandela (Jatiúca), Afoxé Povo de Exu (Benedito Bentes), Pau e Lata (Rio Grande do Norte), CEPA Quilombo (Jacintinho) e Quintal Cultural (Bom Parto), entre outros grupos. 





Este ano o Bloco Tia Marcelina sairá da sede do Coletivo AfroCaeté, no bairro do Jaraguá (Rua Barão de Jaraguá, nº 381). A concentração para a saída do cortejo será a partir das 19h com a banda de samba reggae  Afro Gurungumba, de Viçosa (AL), começando a festa na porta do Barracão do Coletivo AfroCaeté. E às 20h o Tia Marcelina segue pela Rua Barão de Jaraguá (Jaraguá), puxado pelo Coletivo AfroCaeté, pelos afoxés Oju Omin Omorewá e Povo de Exu, pela Afro Gurungumba e pelo Arafunfun/Inaê (Guesb), dois carros de som acompanharão o cortejo até a praça Rayol, a partir da praça o cortejo percussivo segue pela Avenida Sá e Albuquerque em direção a praça Dois Leões, encerrando o cortejo no ponto de partida.






Em Alagoas a existência da cultura negra e especificamente do maracatu foi abalada por causa da relação direta com as religiões de matrizes africanas que foram violentamente combatidas no início do período republicano. Violência que teve seu ápice em 1912 e atingiu Tia Marcelina, sacerdotisa que detinha o posto mais alto da hierarquia religiosa africana no Brasil e cujo terreiro, segundo apontam as pesquisas, existia um maracatu. Tia Marcelina morreu espancada em seu terreiro que se localizava nas proximidades da Praça Sinimbu, morreu gritando que seu corpo poderia acabar, mas sua sabedoria permaneceria. Acreditamos que a invisibilidade da Cultura Afro em Alagoas também é justificada por esse lamentável acontecimento que envergonha a todos nós. Acreditamos no potencial reflexivo e transformador da cultura, e no seu poder de inserção do indivíduo na esfera social, assim procuramos coordenar ações e desenvolvendo estratégias de valorização e difusão de nossa cultura.
No dia 6 de fevereiro de 2015, o Cortejo Tia Marcelina levará as ruas centrais de Maceió, e especificamente ao Jaraguá, o som, as cores, a alegria e o axé da cultura negra. O samba reggae, o afoxé e principalmente o maracatu, formarão a base do cortejo. Junte-se a nós participe, traga a sua alegria... traga o seu axé...!







"Batida em rum pi lé é mão de preto no couro e o AfroCaeté é o maracatu de ouro! Chão já tremeu o cortejo já vem vindo, é o AfroCaeté com o seu batuque lindo... Bater de alfaias esturra como explosão xequerê gritando alto e gonguê na marcação, os agogôs convidam para dançar, Demis, Bela, Jana, e Luana vão ter muito que cantar. A multidão, cheia de animação Esperando a passagem do AMARELO TROVÃO...! (Maracatu de Ouro - Demis Santana).

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

XV Lavagem do Bomfim



"A tradicional 'Lavagem do Bomfim” acontece sempre em janeiro, no segundo domingo. Realizado pela Casa de Iemanjá, os terreiros de Candomblé e Umbanda e as Federações, a “Lavagem do Bomfim”  tem a participação de fiéis Católicos, Umbandistas e Candomblecistas, já que há um sincretismo religioso entre o Senhor do Bomfim e o Orixá Oxalá."

Fotos: Thiago Bianchetti
Anualmente, reúnem-se milhares de  fiéis em busca da proteção das águas perfumadas, para limpeza do corpo e da alma.

Fotos: Thiago Bianchetti

Fotos: Thiago Bianchetti

Fotos: Thiago Bianchetti

Integrantes do Coletivo AfroCaeté também estiveram presentes no cortejo.
Fotos: Thiago Bianchetti



←  Anterior Proxima  → Página inicial